quarta-feira, setembro 20, 2017
Home » Linux » Estrutura de pastas do Linux

Estrutura de pastas do Linux

Boa noite leitor,

Se você é um usuário ou tecnico que gostaria de aprender ou aperfeiçoar seu conhecimento em Linux, hoje abordarei um tópico que lhe virá a calhar: Estrutura de pastas do Linux, ou Descrição da árvores de diretórios do Linux, como preferir :D

Nesta materia veremos:

bin, boot, dev, etc, home, lib, mnt, opt, proc, root, sbin, sys, tmp, usr, var

/bin

contém os programas e utilitários básicos destinados à inicialização do equipamento, necessários quando não há outros sistemas de arquivos disponíveis. Os aplicativos disponíveis neste diretório podem ser utilizados por qualquer usuário (root ou não) e podem servir também para operação normal do sistema.

Contém comandos comuns, essenciais à carga do S.O ou armazenados aqui por compatibilidade com sistemas mais antigos. Exemplo: cat, chmod, cut. date. ls, entre outros. Nele encontram-se também gunzip, gzip e tar para compactação e backup além de alguns aplicativos para rede como hostname, ping e netstat

 

/boot

Neste diretório encontram-se os arquivos referentes à inicialização do sistema, o Kernel (vmlinuz) propriamente dito e módulos (initrd) necessários para a carga da máquina. Em geral, este diretório é alocado em uma partição exclusiva para este fim com tamanho variando em 32MB a 100MB

 

/dev

Todos os dispositivos instalados no seu equipamento necessitam de arquivos especiais que mapeiam a sua existencia neste diretório. Exemplos:

hda1: Indica 1ª partição de um disco IDE master da controladora primária

sda: indidca primeiro disco SCSI no equipamento

sdb1: Primeira partição de um disco SATA na porta 2

 

/etc

Todas as configurações utilizadas pelo seu equipamento e seus serviços normalmente são armazenados neste diretório, Nâo deve ser colocado em partição separada. Contem:

Configurações do equipamento: hostname, resolv.conf, inittab

Configurações de serviços: email: postfix/main.cf; apache: http/conf/http.conf

 

/home

Diretório pessoal de cada usuário. Em geral, todo usuário tem uma pasta pessoal com o mesmo nome de seu nome de login. Em servidores, é comum alocar-mos este diretório para outra partição.

 

/lib

Bibliotecas diinâmicas compartilhadas, necessárias ao funcionamento básico de quase todas as aplicãções do Linux, além de módulos do kernel.

 

/mnt ou /media

Utilizada para acessar mídias externas com CDs, Pen drives, cartões de memória, etc. É comum encontrarmos mapeamentos para servidores remotos nesta pasta.

 

/opt

Os programas de terceiros normalmente usam esta pasta. O Adobe Rearder, Adobe Air, StarOffice são um exemplo

 

/proc

Diretório utilizado para acessar o sistema de arquivos virtual com informações do estado de processamento de sua máquina. Os arquivos aqui não estão fisicamente sem seu hd, mas sim em áreas protegidas da memória, sendo que alguns destes arquivos podem ser alterados de forma a modificar o funcionamento do seu sistema Linux. Exemplos:

cpuinfo: dados do processador de seu equipamento.

meminfo: dados da memória como total instalado, total disponível e como está sua utilização.

ioports: identificação das portas io em uso no seu equipamento.

 

/root

Diretório pessoal do usuário “root”. Não deve ser colocado em outra partição

 

/sbin

Arquivos executáveis destinados à inicialização do equipamento bom como para administração, acrescentando funcionalidades aos aplicativos existentes em /bin. Exemplos:

ifconfig: configuração das interfaces de redes.

shutdown: deslifamento do sistema.

route: definição de rotas.

/sys

Assim como /proc, é um sistema de arquivos virtual que tende a substitui-lo provendo novos recursos e funcionalidades. Aqui encontramos uma estrutura de diretórios que mostra os recursos instalados em seu equipamento.

 

/tmp

Arquivos temporários criados por aplicativos. Normalmente são deletados após o fim da aplicação, contudo, se não for removido, apenas o root ou o usuário criador podem deletá-lo.

 

/usr

Estrutura secundária de diretórios replicando toda a estrutura original. Inicialmente usada como local de instalação para programas que não faziam parte da distribuição original. A intenção era manter este diretório “lincado” para que um aplicativo novo não causasse conflito e pudesse ser facilmente removido depois.

/var

Dados variáveis resultantes de aplicativos em uso como cache de instalação de programas ou do acesso à internet, arquivos de controle de processos em memória como em /var/run/pid

 

Bom, espero que lhe seja útil.

Até a próxima.

Sobre Diego Duarte

Diego Duarte Atua como coordenador de NOC, toca um violãozinho nas horas vagas e tenta eternamente entender o que o fez escolher TI

Veja também!

Logo Powershell

Convertendo Powershell Scripts em Executáveis (ps1 para exe)

Olá, Pessoal A dica de hoje pode facilitar a vida de quem deseja automatizar tarefas …

Este artigo lhe foi útil? comente e ajude outros acrescentando seu ponto de vista!